quinta-feira, 30 de junho de 2011

um som!

ao tom de 


Guindaste a Rigor

Composição: (Tom Zé)

Eu quero um trem de doze vagões
Pra marcar o compasso pois eu vou cantar
Quero dez máquinas de concreto
Porque não gosto de violino
Quero um discurso do Nero
Para fazer contraponto
Doze motocicletas no lugar do contrabaixo
Para reger o conjunto, um guindaste a rigor
E na hora do breque um belo assopro de coca-cola
Ah, ah, ah que cola
A tonalidade é ré sustenido bem claro
Ou mi colorido bemol
Sidomidelamefalasemsirelanemsolfa
Para parceiro na letra
Satanás de babydoll
Ou um camundongo sádico que tem a língua vermelha
E no fim da primeira parte beije a Brigitte Bardal
Mas, ora, veja:
Enquanto eu cantava
O verbo enganado
Com a língua do poeta enrolada no pescoço
Pendurado sem socorro
Já parou de balançar as pernas
Já parou de balançar as pernas
Já parou de balançar as pernas
Já parou de balançar as pernas
Já parou

**********************

*** uma licencinha pra um detalhezinho
 :) eu gosto e voou longe c'um violino ****


2 comentários:

sandra camurça disse...

Louco, um louco genial! Tom Zé é o mais subversivo de todos! Bom demais :)
Beijos

Vais disse...

O cara é muito da hora, doidão e maluco de lucidez
adoro!
beijão, lindinha

Sandrinha, tem um troço entre esta música e minha sonseira, ah eu fico é rindo, o final 'já parou de balançar as pernas'
sempre me vinha uma imagem de mulher rebolando ou dançando mexendo as pernas e ele desejando talvez um impossível, por isso o pedido pra parar
tô rindo
beijim