segunda-feira, 23 de abril de 2012

“eu adoraria mudar o mundo”



mas como não posso fazê-lo, que ele não me deturpe.

♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥

Mário Quintana - Canção do fundo do tempo(trecho final)
(...)
Longe andava o meu olhar.
Longe andava...
Por trás dos muros do tempo,
As pessoas que eu amava
Amaram-se entre si.





Um Som!!!!!
Ten Years After -  I'd Love To Change The World


Ficava parada, sempre naquela mesma esquina, naquele mesmo horário, pelas mesmas horas, a esperar, sem o tédio das esperas.
Dia ou outro, vez ou outra, algum inédito, mas sempre os mesmos, as mesmas pessoas.
Se habituaram da minha presença, se acostumaram a me ver em pé escorada na aresta, ou sentada no meio fio vendo os automóveis passando, depois de esperarem sua vez.
Não me viam mais como uma estranha ao abraçar o poste da placa PARE.
Foi assim por anos.
Nos vimos envelhecer, as rugas, os cabelos brancos,...
Outros não mais vieram e sabia de suas mortes, suas mudanças quando, encostada ou sentada ou abraçada, ouvia as conversas dos que esperavam a travessia ou o seguimento após as despedidas.
Os cachorros cheiravam meus pés, minhas pernas sem receios, os gatos se vinham e pouco se enroscavam em meus tornozelos, os pardais e as rolinhas bicavam restos por ali.
Porém, um dia, sempre tem o porém de um dia, não fui mais àquela esquina, não fiquei mais escorada na aresta nem sentada no meio fio nem abraçada ao poste, não mais me viram e não os vi mais.
Quando não mais me viram se perguntavam e deram de conversar entre si, coisa que até então não se via entre estranhos naquela esquina, mesmo sendo os mesmos e as mesmas de sempre e algum inédito dia ou outro, vez ou outra.
_ Será que ela morreu?
_ Será que se mudou?
_ Será que finalmente veio quem ela esperava?
_ O que ela esperava?
_ Quem ela esperava?
_ Por que nunca trocamos uma palavra com ela?
_ Mas, ela também nunca nos cumprimentou, nunca trocou uma palavra?
_ O que terá acontecido?
Até aquele morador da praça que a tudo via o que se passava naquela esquina, foram lhe dirigir a palavra, mas ele só olhava e balançava a cabeça.
Neste dia em que não mais apareci, o tal morador foi ao jardim da praça e pegou uma muda, um broto, com as mãos pegou a terra e encheu um balde velho e rachado que achou jogado no lixo e plantou a muda e aguou e levou até à esquina deixando lá.
Os mesmos e as mesmas viram aquilo, parados, olhando.
No outro dia a falta de minha presença já não era tanta, pois havia ali no lugar um ‘vaso’, é certo que ele não escorava, não sentava nem abraçava, mas havia ali naquele balde velho e rachado, vida que crescia, vida que daria flores, e que, quem sabe frutos? Mas isto eles não sabiam, teriam que esperar pra ver.
E aquelas mesmas e aqueles mesmos se incumbiram de cuidar daquele broto, e sempre que por ali passavam, passaram a dedicar um aceno, uma água, um cumprimento, um fertilizante, um carinho à vida que crescia. 


6 comentários:

LauraAlberto disse...

Manuel António Pina disse numa entrevista que quando era adolescente pensava que ia mudar o mundo, hoje apenas quer que o mundo não o mude a ele.

[e eu estou com ele]

beijinho

Vais disse...

Saudações, querida Laura
deveras
por isto faço um acréscimo:)
beijos pra ti

Assis Freitas disse...

nem sempre o que se vê floresce no olhar, há coisas que germinam na imensidão invisível,



beijo

p.s. eu nunca pensei em mudar o mundo, na minha ignorância quero do mundo uma distancia necessária para a existência.

Jorge Pimenta disse...

vais, minha querida,
no mundo, todas as promessas de afeto começam por ser de terceira pessoa do plural, mas acabam na primeira... do singular. por isso entendo o incipit que aqui postas, como rampa de lançamento para a tua reflexão: "as pessoas que eu amava / amaram-se entre si".
afinal, toda a eternidade é apenas uma etapa na linha do tempo. maldição!

"nada te pertence,
tudo é de tudo o que passa"

jordi virallonga

beijo com os braços do tamanho deste atlântico que não esconde segredos entre aqueles que se querem bem!

Daniela Delias disse...

Voei em teu lirismo...

Amei.

Bjo, bjo!!!

Cris de Souza disse...

Mudo mundo em si!