domingo, 12 de fevereiro de 2012

voltas


Metáforas

Eu
um punhado de fina areia
em suas mãos em conchas
O vento vem
As conchas se unem na ânsia de guardar-me
Não adianta...
O vento é forte
Leva a areia fina na passagem
Escorre por entre os dedos
Eu
me vou por entre seus dedos
Mas, se vai...
O vento passa
Uma das mãos em concha segue o rastro
E a outra mão a recolher
Até juntarem novamente
um monte de fina areia
entre suas mãos em conchas 

(set/09)


Oferta


Me dou
Doo
Voo
Vou
Lhe dar
Doar
Voar
Ir
Ar (A!)
Dor
Me
Ser

e
Nhá!
(2009)

algo assim

.
não queria nenhum motivo
naquele momento
não dava
nem podia estar ali
tinha
vinha
pinha
linha
que seguir
como um 
rio
fio
nadava
e se soubesse
onde daria
corria muitas léguas
sem partir
nem gás
nem gelatina
nem duro
nem mole
moléculas
tecidos
órgãos
caminhava entre as bananeiras
pulava nas galhas dos pés
e no cimento:
espuma, tinta, palito, borracha...
e voadores 
tocando, voando
pousando, voando
(2010)

6 comentários:

sandra camurça disse...

Minha poeta! tou gostando de ver/ler seus escritos. Desta postagem gostei mais dos dois primeiros, Metáfora e Oferta.
Continua, linda! Você tem alma de poeta e artista, viu?
Eu e a poesia andamos nos estranhando...rs... por isso continuo com os sons!

Beijão, hermanita!

Assis Freitas disse...

poemas com areia me viram oásis,


beijo

LauraAlberto disse...

não faz mal, não faz mal
as mãos juntaram-se em concha outra vez

beijinho
LauraAlberto

Vais disse...

Sandrinha, tão querida, grata minha linda pelas almas, vou fazer valer :)
som também é poesia e de você com a poesia uma hora desta vocês trombam, é só relaxar e deixar fluir, hehehe
ai ai ai heim Sandrinha

beijão grande♥♥♥



***********


palmeiras, um regato, uma fonte, uma sombra, bom demais

beijinho, Assis



**************


faz mal não, Laura
e sempre que elas se juntarem novamente em conha, sempre terão um novo monte

beijo, querida moça

Jorge Pimenta disse...

há algo assim em cada volta da metáfora. a cabeça pode ser o dorso ou as ilhargas que nas primeiras estórias tudo é possível.

beijinho, querida vais!

Vais disse...

Ei, Jorge,
precisei ir ao dicionário e ver ilharga :)

mas, desde as primeiras estórias até as quaisquer que vierem, acho que tudo pode ser possível

beijo pra ti