segunda-feira, 28 de novembro de 2011

@(#)*&*(#)@=?}[]{!+\<>/:)

eu para mim é pouco.
algo se empenha
em sair de mim
como um louco. 
Maiakovski




Às vezes é um começo: ouvi dizer na televisão, no rádio ou li num jornal, revista, que somos da mesma matéria, ou aprendi no livro duma aula. É isto, os mesmos átomos.
Cientistas descobriram o núcleo e o transformaram em um graaaaande cogumelo gigante, tão gigante que quando aparece reina interno pra sempre. É a manipulação, é a fissão do núcleo do átomo. Somos da mesma matéria. 
A imagem desse cogumelão não permanece, mas dura um tempo à vista de quilômetros.
Não adianta mais, já o viram e mesmo depois do seu desaparecimento, seu espectro ronda.
E quem solta os cogumelões?
São os que não viram o céu, como fica de coloração sinistra. Não percebem que o fundo do mar é maravilhosamente colorido. Aquela grama verde do jardim é amassada violentamente pelos coturnos dos homens no deserto. Nenhum deles se encheu de torpor ao ter nos braços uma árvore ou afundaram os pés na areia quente. Os oásis do ocidente trazem a cabeça de hollywood em meio às dançarinas das mil e uma noite. O momento é efêmero e graças a descobridores temos acesso aos acontecimentos mundiais.
O que será que eles escondem?
A natureza não precisa raciocinar, muito antes pelo contrário, o sistema de defesa é o instinto mesmo. Uma lei, reação.
Os filmes sobre os animais remetem ao estudo do comportamento individual e nos ajuntamentos.
(2003 e umas poucas alterações)

7 comentários:

Assis Freitas disse...

bão isso, muito bão


beijo

sandra camurça disse...

Gostei da dobradinha: Maiakovski e Vais :)
Já li também que somos da mesma substância que as estrelas. Parece viagem, né? Mas faz sentindo, quando pensamos que a diferença entre nós, uma pedra, um gato e uma flor é apenas a distribuição e o número de substâncias que nos compõem. A natureza sempre vai encontrar um jeito de sobreviver, já o ser humano tá perdendo essa capacidade, porque a cada dia se distancia mais da mãe natureza... Se a gente matar a natureza, se a gente destruir a Terra, ela renascerá. A ser humano desaparece e outro tipo de vida vai nascer. Depois dos dinossauros foi a nossa vez. Quem virá depois de nós?
Viajei, hein? Culpa sua, rs... Mas falo sério, querida.

Beijos

Vais disse...

Ei, Assis,
por detrás das coisas sempre tem um caso:
Tenho 3 agendas(2003,2004,2005)super legais e nelas tem citações, versos, estrofes de canções e poesias, e pinturas, fotos, desenhos de muitas gente e nas páginas, escritos, rabiscos, desenhos meus e das meninas.
Aleatoriamente peguei a de 2003 e fui folheando, lendo, procurando qualquer coisa e encontrei este escrito, então digitei e postei, mas quando li, desisti e tirei logo a postagem, porque achei que não tinha batido.
Continuei folheando e parei quando li este do Maiakovski, aí disse, quer saber, vai, e veio.
Então, que bão :)

e beijo pelos bão


********************


Sandrinha, super querida
viaja, viaja, viaja...
Também eu fico numa viagem só
Antes disso aqui tudo estava compactado num ponto, imagina a mistureba que não era aquilo lá
Outro dia assisti a um vídeo sobre a desertificação no planeta, é horrível, é muita degradação e não sei se a natureza conseguirá, tem as águas das calotas que estão derretendo, um dia elas iam derreter mesmo, mas fico vendo que todas estas tragédias no meio ambiente, camada de ozônio, maremotos, terremotos, poluição de rios, lagos e mares e por aí vai é tudo da ganância do ser humano, racional, ser pensante, dá uma tristeza infinita, porque vamos tod@s morrer, transformar, o Planeta inteiro, o Sistema Solar e é duro de conviver com tanta falta de amor.
e viagem pouca é bobagem, né mes? heheh

Beijos, minha linda

sandra camurça disse...

Vais, acho que me expressei mal... Sei que há áreas que já estão virando deserto. Resumindo o que quis dizer é que o ser humano destrói a natureza, ela morre, ele morre junto com ela. Mas o planeta continua a existir e outro tipo de natureza e vida nascem... A natureza é maior que a gente

Beijos

Vais disse...

Querida Sandrinha,
teve nada disso não, de se expressar mal,
fico vendo que o que a raça humana tem feito é antecipar muitos acontecimentos que demorariam anos e anos para se darem não fosse tanta destruição, ah minha querida e com certeza este planeta continuará pelo tempo dele, mesmo que não haja mais tanta vida por aqui.

beijo bem grande

Jorge Pimenta disse...

sobre ele: "maiakovski entregou-se ao silêncio com o eu revólver" - mão morta

Vais disse...

é mais um que a sociedade suicida
e a mão deixa um legado de inúmeras marcas

abraços, Jorge