sexta-feira, 29 de julho de 2011

sem ação

o tema ao ar bolhas. os dois juntos. a faca na cena. um chão, duas partes. o primeiro estátua. o sonho. hermético. irmãos. corpo. e muito tempo  a palavra bolhas, mas sabão e água. outras e mais outras. um tempo para a memória, e nada ao primeiro sentido. portas paredes objetos nas mãos e o fim bolhas, fumaça ou sabão ao ar. uma cadeira uma casa. uma espada de plástico, gestos. um leque na estante, prateleira tábua de restos de madeira juntos muito juntos. a música. o ritmo. os gestos. os cabelos. o corpo na dança. o lápis no papel. 
sem ação. 




**** a Júnia quis digitar e digitou, escolheu a letra e o colorido.
**** eu ditei.

7 comentários:

Jorge Pimenta disse...

acção telegráfica. no final da digitação ultrassónica, apenas bolha, fumo, ar... no canto da boca, contornos bailando com os pés da memória.
beijos, querida vais!

Assis Freitas disse...

sem ação fica cá, distraído com as bolhas de sabão e a dança


beijo

Marcelo F. Carvalho disse...

Bom, muito bom!

Vais disse...

Jorge, gostei disto

no canto da boca, contornos bailando com os pés da memória.

e conversando com minha mãe sobre a morte, ela fala que não concorda de morrermos e sermos enterrados ou cremados,que bem poderíamos virar qualquer outra coisa no último suspiro, daí disse, talvez fumaça onde nós mesmos nos fumaríamos e a fumaça subiria, e ela, talvez ar mesmo

beijinhos pra ti


*************

só mirando, Assis? :)
assoprar e dançar também distrai

beijo meu, moço


***********

Êta, Marcelo!
bom é você por aqui
abração Professor

sandra camurça disse...

Ei, querida, isso é muito bom mesmo! E forte!
Beijos

Cris de Souza disse...

bolhas de sabão giram na minha memória desde os tempos do carrossel.

beijos, querida vais!

Vais disse...

Grata, Sandrinha.
beijinhos querida hermana

************

Ei, Cris, moça, olha que na minha também
no interior fazíamos os canudos de assoprar do talo da folha da mamona

beijos queridos pra ti