terça-feira, 27 de julho de 2010

Andava...
Punha máscaras nas orelhas
Eram dois pares
O primeiro: toda rebuscada
Desenhei
O segundo: lisa
...

Buracos nos olhos, na boca
Os pinos quebraram
Pisados ou enferrujados
Sobrou uma
Do par da lisa
Fica guardada
Da orelha ao peito
Como broche
(edelvais/jul.10)


**************

Clarice Lispector: Restos do Carnaval
.
(trecho)
.
E as máscaras? Eu tinha medo, mas era um medo vital e necessário porque vinha de encontro à minha mais profunda suspeita de que o rosto humano também fosse uma espécie de máscara. À porta do meu pé de escada, se um mascarado falava comigo, eu de súbito entrava no contato indispensável com o meu mundo interior, que não era feito só de duendes e príncipes encantados, mas de pessoas com o seu mistério. Até meu susto com os mascarados, pois, era essencial para mim.

Depus a Máscara – (Álvaro de Campos)
Fernando Pessoa
.
Depus a máscara e vi-me ao espelho.
—Era a criança de há quantos anos.
Não tinha mudado nada…
É essa a vantagem de saber tirar a máscara.
É-se sempre a criança,
O passado que foi
A criança.
Depus a máscara, e tornei a pô-la.
Assim é melhor,
Assim sem a máscara.
E volto à personalidade como a um términus de linha.
.
.
.
.
TABACARIA - (Álvaro de Campos) Fernando Pessoa
.
(trecho)
.
Fiz de mim o que não soube
E o que podia fazer de mim não o fiz.
O dominó que vesti era errado.
Conheceram-me logo por quem não era e não desmenti, e perdi-me.
Quando quis tirar a máscara,
Estava pegada à cara.
Quando a tirei e me vi ao espelho,
Já tinha envelhecido.
Estava bêbado, já não sabia vestir o dominó que não tinha tirado.
Deitei fora a máscara e dormi no vestiário
Como um cão tolerado pela gerência
Por ser inofensivo
E vou escrever esta história para provar que sou sublime.
.
.
As máscaras que se olham. José Saramago
.
(trecho)
.
Há vertigem neste jogo. As máscaras olham-se sabendo-se máscaras. Usam um olhar que não lhes pertence, e esse olhar, que vê, não se vê. Colocamos no rosto uma máscara e somos outro aos olhos de quem nos olhe. Mas de súbito descobrimos, aterrados, que, por trás da máscara que afinal não poderemos ser, não sabemos quem somos. Está portanto por saber quem é Fernando Pessoa.


Nenhum comentário: