sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

*

Vontade
Minhas intenções eram as melhores possíveis.
Não escrevo com o lápis à toa...
Nesta específica página,
se desmanchado for
sua marca ficará.
Amanheci.
Dói-me a garganta.
Nada em você preocupa-me doença.
Tudo manhã.
Sol manhã.
Nuvens manhã.
Lua manhã.
O dia lá fora, manhã.
E eu aqui num esforço neurônico
sem espaço pensante,
sem tempo corrente para dedicar...
Derrubem as quatro paredes.
Desliguem os ares,
condicionados sempre estarão
se assim ficarem.
Quero - mexer - a terra produzir.
Pintar - as tintas colorir.
E fim, mas sem acabar totalmente, pois continua
o brincar, o sentir, o transgredir, o por, o opor, ...
Belos verbos substantivados.

=> não, eu não amanheci doente.
=> o sol é do clip-art.

3 comentários:

sandra camurça disse...

Pinta, Vais! Pinta qualquer coisa! Joga tinta nessa tela! Lambuza tudo com tua vontade e deixa pra pensar depois!

Beijão.

Acantha disse...

ADOREI, VAIS!!! De paixão!
(Você pode por favor me mandar seu e-mail? acantha.sirte@gmail.com)

Marcelo F. Carvalho disse...

"Desliguem os ares,
condicionados sempre estarão se assim ficarem.
Quero - mexer - a terra produzir.
Pintar - as tintas colorir".
___________________
Porra, Vais, que belíssimo exercício de transgressão, de transformação, de encantamento.
Escrever é isto. Simplesmente.
______________________
Parabéns! Belíssimo
___________________
Abraço forte!