sábado, 17 de setembro de 2011

Foi um sábado mágico!

Tive, tivemos dois grandes prazeres neste sábado.
Pela manhã de 8 às 12 horas participei do IV Seminário Gestão Democrática – Colegiados Escolares: Fortalecendo a Gestão Democrática, na SMED (Secretaria Municipal de Educação/BH).
Em  14 de junho de 2010 foi instituído o dia 19 de setembro como Dia Municipal da Mobilização Social pela Educação através da Lei Nº 9.932 de autoria do nosso combatente vereador Arnaldo Godoy que faz parte do Comitê Municipal de Mobilização Social pela Educação, por ser o 19 de setembro dia do nascimento do nosso querido Educador Paulo Freire. Este Seminário tem o intuito de fortalecimento dos colegiados e da participação popular nas Escolas e a comemoração da Lei.

Na abertura, uma apresentação teatral do grupo de teatro bibliotecas escolares, coordenado pela Emília com a peça Balaio de gato composta por várias cenas.

Após a apresentação com muitas palmas e bravos, tivemos o imenso prazer da palestra de Walter Pinheiro Barbosa Júnior, consultor do programa nacional de fortalecimento dos conselhos escolares e do departamento de educação da UFRN.
Que maravilha!

Abaixo vão algumas anotações que fiz de sua fala e de sua apresentação na tela:

Bom dia! Significa: muita luz no seu caminho.

E ele vai recitando:

Caboclo Sonhador
(Maciel Melo)
Sou um caboclo sonhador
Meu senhor, viu?
Não queira mudar meu verso
Se é assim não tem conversa
E meu regresso para o brejo
Diminui a minha reza.
Um coração tão sertanejo
Vejam como anda plangente o meu olhar
Mergulhado nos becos do meu passado
Perdido na imensidão desse lugar
Ao lembrar-me das bravuras de Nenem
Perguntar-me a todo instante por Baía
Mega e Quinha como vão? tá tudo bem?
Meu canto é tanto quanto canta o sabiá
Sou devoto de Padim Ciço Romão
Sou tiete do nosso Rei do Cangaço
E em meu regaço fulminado em pensamentos
Em meu rebento sedento eu quero chegar
Deixem que eu cante cantigas de ninar
Abram alas para um novo cantador
Deixem meu verso passar na avenida
Num forrofiádo tão da bexiga de bom.

Principiando
A palavra e a escuta autêntica como referência para o nosso diálogo.

Os lugares brotam dentro da gente. Lugar não é espaço físico, sou uma composição de lugares.
Entre nós ignorância/palavras.
A palavra é um centauro. A palavra é um cavalo com corpo de gente.
Onde estão as palavras?
Quanto mais eu aprendo mais ignorante eu fico, pois muito mais tenho a aprender.
Minha humanidade realiza-se na responsabilidade pelo outro.
Não fomos feitos para enxergar-nos sozinhos.
O colegiado escolar não tem um papel, mas pessoas que atribuem sentido, pessoas que dão sentido.

Ser humano é trágico: saber que está vivo e que vai morrer. Não temos controle sobre a vida.

Política: nós nos gostamos e queremos conviver. Acordos, diálogos.

O Brasil é um ornitorrinco, temos todas as caras do mundo.

Temos o poder de reorganizar, repensar o mundo.

A escola antiga: adestramento X escola atual: movimento

A base da escola são as pessoas.

O filho, a filha faz nascer o pai e a mãe.

 E durante sua apresentação vai citando e mostrando frases de Aristóteles, Lícofron, D. Maria I, Aleijadinho, Protágoras, Platão, Rosseau, Pulo Freire. E dá-lhe colegiado escolar, gestão participativa, fóruns, gestão da educação pública, gestar, gerir, participação, desafios, direção das escolas (rumo, caminho)...

E ele termina com esta frase de Guimarães Rosa:

O correr da vida embrulha tudo; a vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem. Ser capaz de ficar alegre e mais alegre no meio da alegria, e ainda mais alegre no meio da tristeza...
(Guimarães Rosa)

E explica a:

Metáfora da Educação: um beijo na boca.

Simplesmente apaixonante!

Fico muito agradecida pelas filhas estudarem em escola pública.

*************************************

Voltei para casa, pois no final da tarde teríamos visita.

Com imensa satisfação recebemos aqui no barraco, com direito a bolo que a mamãe trouxe, Líria Porto do blog tanto mar
Que delícia! Fiquei honrada.

E Líria se faz assim em “de lua”:


versos para rina

estejas onde estiveres
ao contemplares a lua
(dela não arredo os olhos)
Poderei ver-te

Dir-me-ás
   é pouco

dir-te-ei
    nem tanto
    aos loucos
     basta-nos uma gota
     e o mar virá



**********************

poderosa

a lua surge rainha
põe-se no meio do céu

o sol não suportaria
essa mulher sem cabresto

que vem e volta sozinha
sem precisar de pretexto


***************

doidivanas

esta doida de sentires e de pedras
de nublares de viveres e de luas
de sonhares de tornados de dilúvios

esta insana das noites seculares
dos falares dos silêncios dos transtornos
das tempestades desaguares e de lama

esta louca dos amores impossíveis
das demências dos pulsares dos entornos
das claridades dos escuros e dos vãos

esta mulher como tant(r)as
habita-me



 **********


E assim em “Dedo de Moça – uma antologia das escritoras suicidas”

versinhos encapetados

quando nasci
não tinha anjo disponível
então um diabinho com um tridente
espetou a minha bunda e disse – vai
cai na vida – não tens outra saída

******************


elas

a vida é a puta
que em mim se esfrega
e espera que eu resista
às suas curvas

a vida é a santa
que me recusa
e assim me arrasta
para suas pernas

a morte é a mulher
sem intenções escusas

************************

verídico

foi comprar açúcar
levou mais de vinte anos

um dia voltou
pôs o pacote sobre a mesa
sentou-se acendeu o cigarro
e perguntou – o café
vai demorar?


****************** Líria, um carinho enorme, um grande beijo e muchas grácias.




5 comentários:

sandra camurça disse...

Puxa, querida!
Que sábado maravilhoso! E te confesso,
tou morrendo de inveja por você ter recebido a Líria, inveja boa, viu? rs... Vocês já se conhecem há muito tempo?
E esses poemas dela são bons demais! Queria escrever assim, quem sabe um dia né? :)

Beijos, linda!
Boa noite, já tou morrendo e sono...

Marcantonio disse...

Que privilégio, hein! E você fez uma bela postagem dessas experiências. Muito agradável de ler.

Interessante essa imagem do Brasil ser um ornitorrinco, não?

Abraço.

líria porto disse...

querida vais
a alegria foi minha - impagáveis a elena, a júnia, a tua mãe, o tio, o valdinei e principalmente o teu carinho comigo. adorei o bolo, o café, os presentes, conhecer tua família e tua casa. obrigaaaaaaaada!
besos

Assis Freitas disse...

que encontro porreta, maravilha



beijo

Vais disse...

Ei, Sandrinha,
foi um sábado de crescimento
mas te conto
em 2009, através do Balaio do Moacy, soube do lançamento do livro Borboleta Desfolhada da Líria, então peguei as meninas e fomos, mas até então não havíamos nos encontrado pessoalmente, daí aconteceu e foi tão bom.

e sobre suas escritas, você sabe

beijinhos querida


****************



Ei, Marcantonio
seja bem vindo, moço!
poxa vida, com certeza um privilégio.
grata pelo gosto da postagem.
destas experiências, elas vem acontecendo desde a entrada em 2009 da primeira filha na escola municipal, o lance é que tenho umas dificuldades em transmitir em forma de texto ou pelas anotações como fiz desta vez, quem sabe daqui pra frente.
fico vendo e sentindo que a escola pública significa mudanças em nossa sociedade, mesmo que estejamos impregnados pela visão e pelas concepções do modus vivendi das relações capitalistas, mas acredito que é lá, nas escolas públicas que temos um espaço pra estas mudanças.
também fico pensando que quando teria chance de ter estas participações se as meninas estudassem em escola particular, nunca, moço, nunca, pois não há espaço nestas instituições/empresas pra contribuição, interferência e seja lá o que for, pois tudo já está pronto, acabado, determinado e quando há palestras é só para reforçar este inferno que são as relações 'capetalistas', é terrível.

O Brasil um ornitorrinco, ele coloca pela nossa diversidade humana, então ele fala que se chegasse num aeroporto e dissesse que era chinês logo chamariam pra conversar, e que um chinês, japonês, africano ou até um esquimó se dissessem brasileiros passariam sem problemas.
e volte aqui neste retângulo sempre que tocar

abraço pra você também

***********

Sabe, Líria, como te falei e também aqui, fiquei honrada com sua presença em nossa casa, pois você poderia ter escolhido qualquer outro lugar que iríamos. Nós que agradecemos sua presença, sua simplicidade, seus presentes e seu encantamento.
Beijos e abraços querida e tudo de muito bom pra você e querid@s

**********

Êta, Assis, pra lá de porreta

beijinho