terça-feira, 14 de junho de 2011

Agenda: Mário Quintana - Diário Poético - 1992

Quarta-feira 13 de maio de 1992

XXX
A TV é uma forma colorida da vagabundagem. (MQ)


**************


Segunda-feira 13 de maio de 1996

Em um 13 como este, não uma quarta, uma segunda, triste feliz coincidência, pois era exatamente o que fazia. Por ser a segunda taxada 'o dia em que se começa tudo', estava eu lá, deitada em colchão assistindo tv. Daí pergunto: Quem se importa? Eu não ligo a mínima, porque definitivamente, segunda não é o meu dia de começar qualquer coisa ou coisa alguma. Se há a crença nela... A liberdade está aí!


***************

Fragmentos de Um Discurso Amoroso
Roland Barthes

A última folha

MAGIA.Consultas mágicas, pequenos ritos secretos e ações de graças não estão ausentes da vida do sujeito apaixonado, qualquer que seja sua cultura.

Schubert, “Letz Hoffnung”, Viagem de inverno.
  1. “Subsistem folhas nas árvores, aqui e ali. E fico frequentemente diante delas, pensativo. Contemplo uma folha e fixo nela minha esperança. Quando o vento brinca com ela, todo meu ser treme. E se ela cai, que se pode fazer, minha esperança cai com ela.”
Para poder interrogar a sorte, é preciso uma pergunta alternativa (Mal me quer/Bem me quer), um objeto suscetível de uma variação simples (Vai cair/Não vai cair) e uma força exterior (divindade, acaso, vento) que marque um dos pólos da variação. Faço sempre a mesma pergunta (serei amado?), e essa pergunta é alternativa: tudo ou nada; não concebo que as coisas amadureçam, escapem às conveniências do desejo. Não sou dialético. A dialética diria: a folha não cairá, e depois ela cairá; mas enquanto isso você terá mudado e não fará mais a pergunta.
(Ao consultar quem quer que seja, espero que me digam: “a pessoa que você ama também o ama e vai lhe dizer isso essa noite”.)


  1. Às vezes, a angústia é tão forte, tão apertada (pois essa é a etimologia da palavra) – um angústia de espera, por exemplo -, que é preciso fazer alguma coisa. Essa “alguma coisa” é naturalmente(ancestralmente) uma promessa: se (você voltar...) então cumprirei minha promessa.
Confidência de X...: “ A primeira vez, ele acendeu uma vela numa igrejinha italiana. Foi surpreendido pela beleza da chama e o gesto lhe pareceu menos idiota. Por que então se privar do prazer de criar uma luz? E ele recomeçou, acrescentando a esse delicado gesto (inclinar a vela nova sobre a vela já acesa, esfregar docemente as mechas, ter prazer em ver o fogo pegar, encher os olhos dessa luz íntima e forte) promessas cada vez mais vagas, que abrangiam – por medo de escolher – “tudo que não vai bem no mundo”.


****************

13/06/2011
E não muito raro acordo às segundas com aquela estranha sensação de estar viva. Abro os olhos e respiro. Continuo deitada e as cenas do sonho, quando há, me chegam, e espanto com toda a estranheza do sub in consciente das imagens. Lugares que não sei e que nunca fui, gentes que nunca vi. Fecho e abro novamente os olhos, levanto e olho as meninas dormindo, olho o pai delas na cozinha. Vejo minha rotina nova de alguns anos tornada e a sensação de estranheza permanece. Estranho ser mãe, estranho ser esposa. E me entrego à rotina, aos afazeres que me esperam, tanque, pia, respirar, comer, vassoura, panos, rodo, desfazer-me nas necessidades fisiológicas, bucha, sabão, luvas, pois as mão regaçam de alergia se não usá-las, 'dona de casa com alergia é o fim ou um porre ou uma ressaca fudida'. E continuo, recolhendo objetos espalhados e vou aos uniformes, panelas, arrumações, cozimentos, lavações, varreções, pensamentos enquanto isso, e vou e volto viva estranha estranhando, amando, sentindo, cuidando, odiando os carros e seus motoristas na travessia da avenida, 'se tivesse pedra tacava, mas não né?' Então grito e xingo. Respiro, ouço, vejo, pego, falo, cheiro, beijo, abraço, penso, raciocino, sinto vida mais estranha.  


2 comentários:

Assis Freitas disse...

eu tenho um conto que fala exatamente sobre essa coisa que é a segunda-feira chamado Os Peixes e as Crianças ou vice-versa. Tá no meu livro O Ulisses no supermercado. Se vc se interessar em ler, eu te envio. Basta me fornecer o endereço via e-mail,

beijo

Vais disse...

Uai, moço,
será um puta prazer
então te passo por emeio
beijo meu
querido Assis